As bebidas que são calmantes naturais e que ajudam a reduzir o estresse

Na correria do dia a dia às vezes a única coisa que precisamos é parar um momento para relaxar e esfriar a cabeça. Esse processo funciona de maneira diferente para cada um, com algumas pessoas preferindo ficar em completo silêncio e outras parando para ouvir música por um momento. Mas não há como negar que uma das melhores formas de desestressar e se acalmar é tomar uma bebida apropriada para esse tipo de situação. Em geral, chás vêm logo à cabeça, mas eles não são os únicos que possuem efeito calmante.

Leite quente possui cálcio, que ajuda a baixar a pressão sanguínea
Quando falamos em leite logo pensamos no seu cálcio, que ajuda a deixar dentes e ossos mais fortes evitando problemas como a osteoporose. O que poucos se lembram é que esse mineral ajuda a baixar a pressão sanguínea, o que consequentemente ajuda o corpo a relaxar. Aliás, outro nutriente presente no leite é o magnésio, que também causa essa reação no corpo. Mas por que tomá-lo quente? Simples: porque alimentos quentes são aconchegantes, ajudando principalmente pessoas que possuem dificuldade para dormir.

Chá de hortelã relaxa os músculos
A hortelã em si possui diversos benefícios. Ela ajuda a desintoxicar o corpo, funciona como diurético e ainda previne o surgimento de doenças. Mas além disso, possui ação vasodilatadora, que ajuda a aliviar dores e a relaxar os músculos. Com isso, reduz a dor de cabeça e ameniza cólicas e náuseas. Por isso não é estranho saber que seu chá é um ótimo calmante. Seus efeitos tranquilizantes atuam no cérebro, reduzindo até a sensação de fadiga.

Suco de maracujá atua como tranquilizante
O maracujá é conhecido por ser uma fruta que ajuda a aliviar o estresse do dia a dia, e por isso mesmo o seu suco é muito indicado a pessoas que buscam relaxar. Isso ocorre porque além de ajudar a regular a pressão arterial, o maracujá possui boas quantidades de alcaloides e flavonoides, nutrientes que atuam no sistema nervoso central como tranquilizantes e relaxantes musculares.

Chá de camomila alivia dores em geral
Quem nunca ouviu que chá de camomila é bom para acalmar os nervos? Isso ocorre porque ele possui propriedades sedativas, o que ajuda a aliviar dores em geral. Tanto é que é usado para combater desconforto abdominal, como cólica e gases. Com isso, é ótimo para evitar a insônia e a ansiedade.

Masala chai descafeinado reduz os níveis de cortisol
Conhecida também como chai, essa bebida possui leite em sua composição, e por isso traz consigo os seus benefícios. Sua receita original também conta com chá preto, o que pode parecer péssimo para quem está tentando relaxar, pois possui cafeína. A questão é que é possível encontrar versões descafeinadas desse chá, que ajuda a reduzir os níveis de cortisol, elevados graças a uma situação estressante. Se quiser uma versão sem glúten ou lactose a sugestão é tomar chá com bebida de arroz com quinoa e coco.

Água de coco possui minerais que melhoram a circulação sanguínea
Pode parecer estranho que o coco seja usado para relaxar e não o contrário, mas a verdade é que ele tem boas quantidades de magnésio e potássio, que ajudam a relaxar os músculos do corpo. Esses minerais também melhoram a circulação sanguínea, funcionando, portanto, como uma ótima opção de calmante natural.

Infusões com mel têm propriedades terapêuticas
Por serem quentes, os chás acabam sendo muito indicados a pessoas que precisam acalmar os nervos. Ainda assim, se o objetivo for esse é preferível evitar os que possuem cafeína, já que esse componente deixa o corpo mais acelerado, o que é péssimo para quem quer relaxar. E seja lá qual for o chá que você escolher uma boa opção é colocar mel na infusão. Isso porque o ingrediente possui propriedades terapêuticas, ajudando a acalmar. Além disso, é uma forma mais natural de adoçar do que utilizar açúcar.

Gorduras totais, saturadas e trans: quais as diferenças entre elas?

A gordura é vista como uma verdadeira vilã na dieta de quem quer seguir uma alimentação saudável e equilibrada – afinal, o termo é logo associado à obesidade, colesterol alto e outros problemas do gênero. No entanto, isso não é bem verdade: além de ser responsável por parte do fornecimento de energia do corpo, ela também pode ajudar a armazenar vitaminas e até a produzir hormônios sexuais.

Mas, como existem diferentes tipos de gordura como você já deve ter percebido ao olhar uma tabela nutricional, vale conhecer a função de cada uma para saber o que evitar e o que consumir, ainda que moderadamente.
Gordura total corresponde a toda a gordura de um alimento
Como o nome já indica, a gordura total é o resultado da soma de todos os tipos de gordura presentes em um determinado alimento sejam eles de origem vegetal ou animal. Além de ajudar na absorção de vitaminas, ela é uma das principais fontes de energia para o corpo, junto com os carboidratos e as proteínas.

Seu valor engloba a quantidade de gordura saturada, trans e a insaturada a “gordura boa”, que é o que sobra da soma da saturada com a trans. Um exemplo para te ajudar a entender melhor: se um alimento tem 10g de gordura total, 2g de gordura saturada e 1g de gordura trans, ele terá 7g de insaturada. Por isso, consumir um alimento com uma quantidade alta de gorduras totais não é necessariamente ruim, já que pode indicar que a quantidade de “gordura boa” é bem alta.

Gordura saturada pode aumentar as chances de problemas no coração, mas também traz benefícios ao corpo
A gordura saturada, por sua vez, aparece nos alimentos de origem animal – como carnes vermelhas e derivados do leite, por exemplo. Diferentemente da insaturada, ela é prejudicial para a saúde por aumentar o colesterol ruim e, consequentemente, as chances de problemas no coração.
No entanto, isso não significa que você deva fugir de todos os alimentos que tenham esse tipo de gordura, até porque ela também desempenha algumas funções no organismo – como o armazenamento das vitaminas A, D, E e K e a produção de hormônios sexuais. A dica é comer moderadamente, seguindo a recomendação de consumir apenas 10% de gordura saturada nas calorias diárias se estiver com a saúde em dia e 7% se já apresentar colesterol alto.

Gordura trans afeta o colesterol e deve ser evitada
Até mesmo quem não se preocupa muito em seguir uma alimentação saudável já ouviu falar na fama de vilã da gordura trans. E não é para menos: presente na maior parte dos alimentos industrializados, ela não tem nenhum benefício comprovado para o organismo, pelo contrário: pode aumentar o colesterol ruim, e ainda diminuir os níveis de colesterol bom, se for consumida em excesso.

Esse tipo de gordura é formado durante um processo conhecido como hidrogenação, que transforma o óleo vegetal líquido em gordura sólida para melhorar a textura dos alimentos e aumentar sua durabilidade nas prateleiras. Biscoitos, margarinas, batata frita, sorvetes e muitos outros alimentos de mercado apresentam uma boa quantidade dela em sua composição. Por isso, por mais que conquistem pelo sabor, devem ser consumidos moderadamente para que o organismo não seja prejudicado.
Como a recomendação é não comer mais de 2g de gordura trans por dia, o ideal é fugir de alimentos que a possuam ou procurar comprar apenas os que apresentam uma porcentagem bem pequena dela.

Quais alimentos contém glúten? Veja lista com aqueles que celíacos devem evitar

Pessoas celíacas são aquelas que possuem intolerância ou alergia ao glúten, que nada mais é do que uma mistura de proteínas presente em diversos alimentos que consumimos no dia a dia. E é exatamente por ela ser tão comum que pessoas que não podem consumi-la, em geral, levam marmitas para todos os lugares, pois só assim terão a certeza de que não vão ingerir algo perigoso para a sua saúde. Mas afinal, o que celíacos podem ou não comer? A lista é grande, e por isso é mais fácil tentar memorizar somente os alimentos que fazem parte de uma mesma categoria.
Saiba quais deles devem ser evitados:
Pães, massas, biscoitos e outros alimentos com farinha
O glúten se encontra no tecido vegetal do trigo, da cevada, do centeio e do malte, e é por isso que esses alimentos devem ser evitados a qualquer custo. O problema é que eles estão em mais lugares do que você imagina. Para começar, é preciso cortar pães, massas e biscoitos, já que todos eles possuem a farinha como um de seus ingredientes principais. Afinal, em geral a que consumimos é justamente a feita com trigo, que é um dos ingredientes proibidos para celíacos. Mas existe farinha sem glúten? Sim! Mas para ter certeza que ela foi a utilizada o ideal é preparar o alimento em casa.
Condimentos e temperos industrializados
Tudo bem que eles ajudam a dar mais sabor a um alimento, mas de uma forma geral condimentos e temperos industrializados também devem ser evitados. Isso inclui, por exemplo, o molho shoyo e o curry em pó. Isso porque é bem comum que grandes fábricas utilizem produtos com glúten na composição de seus produtos. Aqui o ideal é dar preferência a temperos mais naturais, como pimenta e orégano.
Cereais
Pois é, celíacos não podem comer nem uma barrinha de cereais. Isso porque os cereais nada mais são do que um grupo que engloba mais de 6 mil espécies de plantas, e entre elas temos justamente o trigo, a cevada, o centeio e o malte. Lembrando que esses três grãos não são os únicos que possuem glúten. Inclusive, o conjunto de proteínas está presente em cereais de uma maneira geral, então, a não ser que a embalagem afirme que o produto não o contém, é melhor não arriscar.
Sopas desidratadas
Além de serem industrializadas, as sopas desidratadas utilizam em sua composição justamente cereais, e por isso devem passar longe dos celíacos. De qualquer maneira, quem é fã de sopas de uma forma geral deve sempre dar preferência àquelas preparadas com alimentos orgânicos. Lembrando que legumes estão liberados em qualquer dieta livre de glúten.
Bolos e tortas em geral
Tudo bem que nós já mencionamos que é preciso cortar a farinha, mas não custa nada reforçar. Esse ingrediente, que em geral é feito a partir do trigo, é um verdadeiro veneno para celíacos. Portanto, festas, especialmente as infantis, são um perigo, já que bolos, tortas e docinhos em geral estão completamente proibidos. O melhor é optar pelo chocolate meio amargo ou então por sobremesas que utilizem a alfarroba no lugar do achocolatado.
Derivados de leite com aveia
Celíacos podem comer aveia? Não. Embora seja um cereal que não contém glúten, em geral ela é cultivada em solos que tiverem contato com outros alimentos em que ele está presente, e por isso seu uso deve ser evitado. E mesmo a lactose não sendo um problema, há muitos derivados de leite que possuem aveia em sua composição, como iogurtes, o que faz com que esse produto também precise ser deixado de lado. Aliás, o queijo em si também não possui glúten, mas pode estar contaminado, e por isso é bom ter certeza que ele não conta com esse conjunto de proteínas. E mesmo parecendo incoerente, o leite de aveia é indicado a celíacos, pois não teve contato com produtos proibidos.
O que celíacos podem comer?
De uma forma geral é importante verificar se a embalagem do produto indica que ele realmente não possui glúten – atenção para embalagens de produtos que indicam que é possível a existência de “traços” da substância! Isso porque, muitas vezes, os que teoricamente não contariam com a substância ainda assim a possuem devido a uma contaminação nas fábricas. Já legumes, verduras, frutas, carnes, peixes, sal, açúcares e óleos em geral podem ser incluídos na dieta celíaca.

Como as vitaminas e minerais agem juntas no organismo?

A união de vitaminas e minerais é essencial para a nossa vida. Presente nos mais diversos ingredientes da pirâmide alimentar, essa dupla nutricional tem a peculiaridade de não ser produzida pelo nosso próprio organismo e, por isso, precisa ser ingerida no dia a dia. Descubra os benefícios dessas substâncias para o corpo e veja receitas ricas nessas propriedades para o seu cardápio saudável.
A combinação das vitaminas com os sais minerais é umas das mais importantes para a nossa alimentação diária. Juntos eles potencializam seus poderes nutricionais, gerando muita força e energia ao corpo. O bom é que muitas vezes não percebemos que estamos ingerindo essas substâncias, pois elas se encontram na maioria dos ingredientes naturais, porém, com valores nutricionais e em quantidades diferentes.
Como as vitaminas e minerais agem juntas no organismo?
A vitaminas e os minerais participam de várias funções do organismo. Cada um tem uma função isolada, mas também trabalham em conjunto. Por isso, em um plano alimentar, nós precisamos manter uma proporção equilibrada e correta de ambos, pois a falta de um pode acarretar no excesso de outro e vice e versa. Um bom exemplo disso é o ferro, um mineral que é muito melhor absorvido no corpo quando ingerimos fontes de vitaminas, principalmente dos complexos C e A.

Por isso, em um plano alimentar para combater quadro de anemia (falta de ferro no sangue), por exemplo, o ideal é incorporar combinação de ingredientes fontes dessas substâncias, como o feijão, rico em ferro, com a cenoura, legume fonte de vitaminas.
Fontes de vitaminas e minerais para a nossa alimentação
A principais fontes de vitaminas são os alimentos 100% naturais, como as frutas, legumes e verduras. Dentre os seus principais benefícios para a saúde podemos destacar o fortalecimento do sistema imunológico e a eficácia para retardar processos de envelhecimento do corpo. Veja, abaixo, algumas fontes de cada substância:
– Vitaminas: Laranja, manga, tangerina, limão, abacaxi, morango, goiaba, kiwi, tomate, alface, brócolis, couve, cenoura, pepino, chuchu, couve-flor, abóbora, abobrinha, pistache e açaí.
– Minerais: Peixes, frutos do mar, frango e outras aves, carne bovina, leites e derivados (iogurte, queijo, etc), gema de ovo, quinoa, chia, linhaça, coco, arroz e azeites.