Algas marinhas: Conheça 9 algas ricas em nutrientes e cheias de saúde

As algas marinhas pertencem ao grupo de plantas Thalophytas, são assexuadas e com sistema reprodutor unicelular. São considerados organismos primitivos, por não conterem seiva, raízes, folhas, flores, sementes e frutos.
Elas são importantes para a economia humana, pois são utilizadas como alimento, como matéria-prima para a indústria farmacêutica, cosmética e alimentícia e também como meios de cultura para produção de bactérias e fungos.
As algas marinhas são conhecidas por serem utilizadas na culinária chinesa, porém existem outras formas de consumi-las e seus poderes nutricionais são surpreendentes. E você, já experimentou? Conhece os benefícios destes superalimentos?
O que são algas marinhas
As algas marinhas são consideradas o pulmão do mundo. Elas produzem mais oxigênio pela fotossíntese do que utilizam para respirar e este oxigênio que não é utilizado é liberado para o ambiente.
O excedente é liberado na atmosfera, o que corresponde a quase 55% de todo oxigênio do planeta. As algas são subdivididas em microalgas e macroalgas.
As macroalgas são visíveis a olho nu por serem maiores. Em sua maioria são encontradas fixadas em rochas, porém podem também serem encontradas em recifes de coral, pilares de portos, cascos de barcos e raízes de mangue. Sempre em ambientes com presença de nutrientes e luz.
Já as microalgas pertencentes ao fitoplâncton são as algas azuis, as algas verdes, dinoflagelados, euglenofíceas, pirrofíceas e crisofíceas.
As algas marinhas ainda, são essenciais no ciclo de vida marinho visto que elas sustentam os animais herbívoros. Estes sustentam os carnívoros e assim por diante.
Portanto, as principais funções das algas são a de produção de oxigênio para toda a fauna e servem de alimento para animais herbívoros,como caranguejos e peixes. Elas são capazes de liberar mais oxigênio do que a Amazônia, pois a floresta consome grande parte do oxigênio que produz.
E quais os principais benefícios que estas algas podem trazer à nossa saúde? Confira!
Benefícios das algas marinhas
Pelo alto teor de Iodo, as algas marinhas são capazes de proteger o organismo contra o envenenamento por radiação e, além disso, também são importantes para a tireoide.
Auxiliam na melhora do sistema imunológico E, para mulheres, na regulação dos hormônios.
O iodo ainda é essencial para o funcionamento saudável da glândula tireoide, pois os altos níveis de iodo ajudam a regular os hormônios da tireoide.
Por conterem bastante magnésio, são excelentes para prevenir inflamações das artérias coronárias, previnem enxaquecas, sintomas da asma e ajudam a amenizar os sintomas da menopausa. Um estudo da Universidade de Berkeley descobriu que dietas contendo algas marinhas reduziram a ocorrência de câncer no ovário, mama e câncer do endométrio. Foi descoberto, também, que as algas marinhas podem reduzir, significativamente, a dor de mulheres com endometriose.
Por conterem fucoidan, um carboidrato complexo, elas atuam ainda como anti-inflamatórias. E por fim, as algas marinhas contêm antioxidantes que não são encontrados em outros vegetais. Mas quais são os tipos de algas marinhas que podemos consumir?
Tipos de algas
Podemos identificar alguns tipos de algas que nos trazem uma grande quantidade de nutrientes, vitaminas e minerais essenciais para uma alimentação balanceada.
NORI – Conhecidas como algas vermelhas, atribui-se essa cor pela presença de biliproteinas, que opacam a cor verde, que originalmente teriam as clorofilas. São espécies ricas em vitaminas, minerais e com boas quantidades de proteínas.
AGAR-AGAR – O Agar é uma substância que estrutura as paredes das células de algas marinhas do Mar Vermelho. Ajuda na digestão e funciona como desintoxicante, eliminando toxinas ruins do organismo.
É composto por 94,8% de fibras que colaboram com o trânsito intestinal, auxiliando no tratamento de constipação, diarréia e doenças inflamatórias.
Ajuda a fortalecer unhas e cabelos. Estimula a síntese do colágeno, evitando o aparecimento de linhas de expressão, rugas, bem como hidrata a pele.
DULSE – Possui um sabor característico, caracteriza-se pela cor vermelha e é muito usado como tempero. É rico em minerais como ferro, potássio, magnésio, iodo e fósforo.
HIZIKI – É riquíssima em cálcio e ferro. Apresenta textura semelhante a do Arame, porém é mais espessa e possui um sabor mais forte.
IRISH MOSS – Utilizada para solidificar os alimentos, essa alga também é conhecida como “musgo da Irlanda”.
KELP – Utilizada em muitas preparações prontas, ela tem uma coloração que varia entre castanho claro e verde escuro.
KOMBU – De cor escura, pode ser cozida junto com feijão para tornar os grãos mais macios e fáceis de digerir. Também pode ser utilizado em sopas e caldos.
WAKAME – É rico em iodo, magnésio, ferro e proteínas. A alga é indicada para acompanhar sopas e legumes e tem sabor suave e adocicado.
LITHOTHAMNIUM CALCAREUM – Fonte de cálcio, essa alga traz inúmeros benefícios ao corpo humano, ajudando na manutenção dos tecidos musculares e na prevenção de doenças ósseas e nas articulações.
Ainda, é um nutriente importante para fortalecer a imunidade.
As algas Lithothamnium também contém magnésio que auxilia na fixação do Cálcio nos ossos. colaboram com o controle da pressão arterial e atuam na contração e relaxamento muscular.
As formulações para consumo são enriquecidas com vitaminas D e K que aumentam a absorção e fixação do Cálcio nos ossos, dentes e articulações.
Embora muito semelhantes aos vegetais, as algas possuem uma estrutura mais simples, pois não contêm caule, folhas ou raízes. Como vimos, elas são fundamentais para o equilíbrio do ecossistema marítimo e os SEUS benefícios também são de extrema importância para a saúde humana.
As algas marinhas são ricas em nutrientes como iodo, cálcio e, fósforo, magnésio e ferro. Ajudam a fortalecer o sistema imunológico, a melhorar o funcionamento da tireoide, atuam como anti-inflamatórios e antioxidantes.
Para as mulheres, ainda, auxiliam na regulação dos hormônios e amenizam os sintomas da menopausa.

Como preparar uma marmita vegetariana?

Preparar uma marmita vegetariana pode parecer fácil, mas é necessário equilíbrio dos nutrientes e uma variedade de alimentos para evitar deficiências nutricionais.
Quando você quer ter mais controle sobre as suas refeições do dia ou simplesmente quer economizar um pouquinho, preparar uma marmita vegetariana para levar para o trabalho ou para guardar na geladeira sempre é uma boa ideia.
Porém, de vez em quando, é preciso usar a criatividade para não cair nas marmitas padrões que, afinal, não são tão nutritivas ou equilibradas como deveriam ser.
Não consumir proteína animal requer um pouco de atenção, afinal, é necessário consumir este nutriente, pois sabemos que ele é essencial para a construção e manutenção do cabelo, pele, unhas e músculos, além da produção de enzimas, que são responsáveis por diversas reações em nosso organismo.
Por isso, alimentos de origem vegetal e ricos em proteína não pode faltar dentro de uma marmita vegetariana !
As proteínas são compostas por partes menores, chamadas de aminoácidos. Esses por sua vez, são divididos entre os essenciais e os não essenciais.
Vale ressaltar que os aminoácidos essenciais devem ser consumidos através da nossa alimentação, pois nosso organismo não consegue produzi-los.
Sabia que existe um superalimento que contém 18 dos 20 aminoácidos e todos os essenciais?

O colorido de uma marmita/prato vegetariano

Agora, fique atento a algumas dicas:
– Uma combinação excelente é o arroz e o feijão, ou outro cereal – quinoa, amaranto, aveia, trigo, cevada e centeio – combinado a outra opção de leguminosa – lentilha, ervilha, grão de bico e soja. Esta combinação de cereal + leguminosa é completa em aminoácidos essenciais;
– Quinoa e amaranto são cereais com um ótimo perfil protéico, por isso não devem ficar de fora da sua marmita;
– Não precisa encher sua marmita de carboidratos. É uma tendência, ao reduzir o consumo de proteína animal, automaticamente aumentamos o consumo de carboidrato (arroz, batata, mandioca, farinhas em geral, cará e inhame).
– Ter uma variedade de vegetais é essencial para contemplar diversos nutrientes numa única refeição. Escolha sempre duas folhas (uma verde clara e outra verde escura) e legumes de sua preferência – sempre priorizando cores diferentes no prato;
– Cogumelos são ótimas fontes de proteína, invista neles. Além disso, são ricos em betaglucana, uma substância capaz de estimular o nosso sistema imunológico, potencializando a nossa saúde. Outros vegetais ricos em proteínas: brócolis, couve-flor, espinafre, couve e ervilha em vagem;
– Cuidado com as frituras e invista em preparações assadas e cozidas;
Hambúrguer vegetariano
– Invista nas sementes, como linhaça, semente de girassol e de abóbora, gergelim e chia e nas oleaginosas (castanha de caju, amêndoa, pistache). São alimentos ricos em gordura boa, vitamina E, fibras e antioxidantes, aumentando o teor de nutrientes da sua marmita, além de terem um pouco de proteína;
– Uma ideia interessante é fazer hambúrguer vegetariano, atravésComo preparar uma marmita vegetariana? do qual você pode aliar cereais, leguminosas, sementes, grãos e vegetais ricos em proteína. Desta maneira, fica mais fácil compor as suas refeições sem proteína animal e sem esquecer o equilíbrio nutricional.

OS 9 PRINCIPAIS ALIMENTOS ANTI-INFLAMATÓRIOS MAIS PODEROSOS DA NATUREZA E COMO UTILIZÁ-LOS

ALECRIM:
Há registro de milhares de anos com o alecrim sendo usado como uma erva medicinal para aliviar dores musculares, melhorar a memória, o sistema imunológico e o circulatório.
O alecrim é rico em antioxidantes como ácido rosmarínico, ácido caféico, os quais também têm ação anti-inflamatória bastante efetiva.
O alecrim pode ser usado fresco, seco, em pó, óleo ou em forma de chá. Na prática é muito utilizado para temperar alimentos, usado em bebidas e chás.

ALHO:
O alho é muito conhecido pelo seu grande poder anti-inflamatório, antimicrobiano e antifúngico e é muito indicado e utilizado na prevenção de muitas doenças.
Use o alho cru para obter os seus efeitos, quando levado a altas temperaturas o alho perde as propriedades funcionais.

ABACATE:
O fruto é rico em beta-sitosterol, uma substância que age como um anti-inflamatório natural e tem muitos efeitos no organismo.
Utilize o abacate em vitaminas (batido com outra fruta por exemplo), dá para fazer maionese de abacate ou utilize para preparar o famoso guacamole.

AZEITE DE OLIVA:
É considerado um alimento funcional e anti-inflamatório, pois previne inflamação de órgãos e tecidos, auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares e ainda previne e trata diversas doenças.
Utilize sempre o azeite de oliva em saladas, no final de uma preparação quente ou utilize em alimentos que já passaram pelo cozimento, para que não ocorra grande perda das propriedades.

ASTAXANTINA:
É um pigmento derivado da alga Haematococcus pluvialis com potente ação antioxidante e ação anti-inflamatória no organismo, principalmente atuando nas doenças inflamatórias crônicas como artrite reumatóide e cardiovascular.
Lembrando que a astaxantina também é considerada o antioxidante mais potente da natureza.O salmão selvagem, lagosta, krill e camarão são as principais fontes de astaxantina, justamente por se alimentarem dessa alga e é isso que confere a coloração rosada desses animais. Para se obter o efeito anti-inflamatório da astaxantina no organismo seria necessário consumir no mínimo 700g de salmão selvagem em forma de alimento.
Dessa forma, existe a opção da astaxantina isolada em cápsulas onde acaba sendo uma alternativa bastante interessante, prática e efetiva para o consumo e obter os inúmeros benefícios que ela traz.

CÚRCUMA OU AÇAFRÃO DA TERRA:

As principais propriedades da cúrcuma são a sua ação anti-inflamatória, antioxidante, antibacteriana e digestiva.
O principal ingrediente ativo do açafrão é a curcumina. É a curcumina que dá ao açafrão a propriedade anti-inflamatória e seu caráter preventivo em relação ao câncer.
A parte mais utilizada da cúrcuma é o pó da sua raiz para temperar comidas, as suas folhas também podem ser utilizadas na preparação de alguns chás.
Dica: Utilize no dia-a-dia o pó para temperar os alimentos, adicionar em molhos caseiros ou adicione 1 colher de chá em sucos com coloração alaranjada ou vermelha (devido a pigmentação do pó da cúrcuma).

GENGIBRE:
Contém compostos anti-inflamatórios potentes, é da mesma família da cúrcuma e seu principal componente anti-inflamatório é o gingerol.
O gengibre é muito utilizado para problemas digestivos, problemas respiratórios, gripes e resfriados.
O gengibre pode ser usado em forma de pó, raiz, pedaço, lascas, muito utilizado na preparação de chás, como tempero, e também pode ser adicionado em sucos.

ÔMEGA-3:
O Ômega-3 tem demonstrado uma variedade de efeitos benéficos em diversas doenças inflamatórias, o ômega 3 colabora em 50% na redução de doenças do coração e também auxilia em 40% na redução da inflamação.
Existem muitos estudos na literatura comprovando a eficácia do Ômega para diminuir processo inflamatório.
O ômega -3 é um tipo de gordura que é considerada essencial, nosso corpo não a produz, por isso devemos consumi-la.
Os principais alimentos fontes de ômega-3 são: atum, sardinha, salmão, arenque, as algas marinhas, as sementes de linhaça e chia.
Caso não consuma os alimentos fontes de ômega-3, é indicado seu uso em cápsulas.

PRÓPOLIS
Por definição, própolis é um material que as abelhas produzem usando a própria cera e resinas de diferentes plantas.
Desde o Egito antigo é utilizado como antisséptico, no tratamento de feridas. Própolis Verde: a própolis verde é típica do Brasil e alvo de inúmeras pesquisas.
O sucesso se deve ao seu alto poder antioxidante. Além de regular o sistema imune, tem efeito antimicrobiano e anti câncer. Própolis Vermelha: Comum no Nordeste, é rica em componentes anti-inflamatórios.
O própolis é encontrado na forma de extrato e pode ser líquido (conta-gotas, spray) ou em cápsulas. Pode ser usado diariamente com objetivo anti-inflamatório e antioxidante ou ser usado para tratar dores de garganta.

COMO INSERIR ESSES ALIMENTOS ANTI-INFLAMATÓRIOS NO SEU DIA A DIA DE FORMA PRÁTICA E EFICIENTE:

OPÇÃO DE MANTEIGA FUNCIONAL ANTI-INFLAMATÓRIA

Você vai precisar de forma de gelo, azeite de oliva extra virgem, ramos de alecrim ou manjericão.
Forma de preparo: despejar o azeite de oliva nas forminhas até preencher e acrescentar raminho de alecrim ou manjericão dentro, levar em freezer e desenformar sempre que for consumir.

ÁGUA AROMATIZADA COM GENGIBRE E HORTELÃ:
1 garrafa de água.
Corte lascas de gengibre adicione um punhado de hortelã junto na garrafa, leve gelar e consuma ao longo do dia.
Receita antigripal e melhora da imunidade:
1 dente de alho cru bem amassado
Sumo de meio limão
1 pedaço pequeno de gengibre ralado
10-15 gotas de extrato de própolis em gotas
Meio copo de água
Misturar bem esses ingredientes num copo e tomar antes de dormir por um dia somente. (dose única).

ALGUNS HÁBITOS CONTRIBUEM TAMBÉM PARA MELHORAR E CONTROLAR A RESPOSTA INFLAMATÓRIA NO ORGANISMO:
– Não fumar
– Não exagerar nas bebidas alcoólicas
– Não consumir alimentos em excesso de origem animal, principalmente carnes vermelhas, embutidas e processadas.
– Alimentos ultra processados e industrializados também devem ser limitados.
– Refrigerantes e bebidas açucaradas também devem ser limitados.

Os alimentos anti-inflamatórios são indicados para contribuir com a saúde em geral e qualidade de vida. Se você tem hábitos como fumar,consumir alimentos açucarados e industrializados em excesso, os alimentos anti-inflamatórios devem fazer parte da sua rotina. Para equilibrar e prevenir o aparecimento de algumas doenças como diabetes, doenças cardiovasculares, sobrepeso e obesidade.
É bastante efetivo utilizar esses alimentos no dia-a-dia, principalmente se você apresenta artrite, artrite reumatoide ou dores articulares.
Para as mulheres que sofrem com a temida celulite, os alimentos anti-inflamatórios melhoram os quadros de celulite na pele. Uma opção prática, para sentir os benefícios dos alimentos anti inflamatórios no organismo é o consumo da astaxantina em cápsulas.

7 alimentos e nutrientes que previnem o envelhecimento

Conforme a nossa pele amadurece, os cuidados faciais mudam e precisam ser redobrados. É comum perdermos mais água, elasticidade, colágeno e outros nutrientes e vitaminas que eram produzidos em maior quantidade.
Anti-aging significa retardar ou desacelerar o processo biológico de envelhecimento.
E envelhecimento consiste na progressiva redução das funções orgânicas, afetando o sistema reprodutivo, o metabolismo, a condição física, cognitiva e, eventualmente, a sobrevivência. Confira quais são os alimentos que prejudicam nossa pele e quais ajudam a prevenir o envelhecimento.
Betacaroteno
Sua principal atuação é como antioxidante, combatendo alterações celulares que poderiam levar ao envelhecimento da pele.
Vitamina C
Possui propriedades antioxidantes, promove a produção de colágeno e aceleração da cicatrização da pele danificada e ajuda a manter aparência saudável à pele.
Vitaminas do Complexo B
Ajudam a normalizar as funções da pele. Tais vitaminas podem controlar a produção dos óleos pelas glândulas sebáceas e proporcionar uma pele suave e refrescante.
Proteínas
A ingestão de proteínas é fundamental para a produção de colágeno.
Flavonoides
Flavonoides são substâncias que agem sobre as enzimas que combatem os radicais livres, impedindo a deterioração celular. Eles ainda são fundamentais para a absorção de vitamina C.
Probióticos
Probióticos ajudam a repor as bactérias benéficas no corpo, o que indiretamente leva a uma melhora da pele como um todo.
Vitamina E
A vitamina E é um antioxidante que protege as células da ação dos radicais livres, impedindo o envelhecimento precoce da pele.
Astaxantina
Sua ação antioxidante é 10 a 100 vezes mais poderosa do que outros carotenoides, como betacaroteno e licopeno.
Diferente de outros antioxidantes, a astaxantina consegue eliminar radicais livres sem nenhum efeito negativo ou atividade pró-oxidante no organismo, sendo classificada como um antioxidante extremamente puro.
Pessoas que consomem astaxantina regularmente alcançam excelentes resultados com os níveis de umidade, suavidade e elasticidade da pele, bem como com rugas finas e manchas ou sardas. Além disso, ela penetra nas células da pele e reduz o dano UVA.